Viva a todas as crianças !!! 

Viva a alegria !!!

Bem-vindo ao nosso site

    O Santo Daime é uma manifestação religiosa surgida em plena região amazônica nas primeiras décadas do século XX. Consiste em uma doutrina espiritualista que tem como base o uso sacramental de uma bebida enteógena  com o fim de catalisar processos interiores e espirituais sempre com o objetivo de cura e bem estar do indivíduo. A doutrina não possui proselitismo, sendo a pratica espiritual essencialmente individual, sendo o autoconhecimento e internalização os meios de obter sabedoria.
    Segundo seus adeptos, a doutrina do Santo Daime é uma missão espiritual cristã , que encaminha os seus praticantes ao perdão e a regeneração do seu ser. Isto acontece porque o daimista, ao participar dos cultos e ingerir o Santo Daime inicia um processo de auto conhecimento, que visa corrigir os defeitos e melhorar-se sempre, para que possa um dia alcançar a perfeição.
    Nos rituais sempre há uma forte presença musical. São sempre cantados hinos religiosos e são usados maracás, um instrumento indígena ancestral, na maioria dos locais de culto.
    Surgiu no estado brasileiro do Acre, no início do século XX, tendo como fundador o lavrador e descendente de escravos Raimundo Irineu Serra, que passou a ser chamado dentro da Doutrina e por todos que o conheciam como Mestre Irineu. Após conhecer a bebida sacramental chamada de ayahuasca pelos nativos da região Amazônica, Irineu Serra teve uma visão de características marianas, em que um ser espiritual superior lhe entrega a missão do Santo Daime.

 

 

 

 

 

Feitio do Santo Daime

 

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifO feitio da bebida é uma cerimônia carregada de grande simbolismo espiritual. É a produção de um sacramento. O feitio corresponde inteiramente ao papel de principal ritual de iniciação, onde os conhecimentos são ministrados e recebidos segundo a entrega de cada um.

As principais fases do trabalho são: localização do cipó e da folha na mata;limpeza das folhas, raspação e bateção do cipócozimentosapuração final do Santo Daime.

 

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifCada uma dessas etapas exige uma dedicação, atenção e força de vontade bastante acentuada, por se tratar simultâneamente de um intenso trabalho físico,mental e espiritual, onde a bebida sacramental é usada durante todo o tempo.

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifDurante o feitio, as mulheres cuidam das folhas, enquanto os homens preparam o cipó. Do ponto de vista espiritual, o resultado do feitio, a bebida sacramental Daime,é considerada um sacramento ,um veículo para a manifestação do Ser Divino responsável pela sua luz e efeito espiritual. Já do ponto de vista material, ela é umproduto florestal, um chá enteogênico sacramental de propiedades psico-ativas,produzida, evasada e distribuida sob responsabilidade da Igreja.

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifLeia uma descrição do clima que cerca um feitio:

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifAs panelas estão sendo enchidas. Estamos concentradas nelas com as nossas melhores vibrações. Trabalhamos árduamente e o fruto do nosso esforço impregna o líquido, da mesma forma que somos impregnados por ele, pelas vibrações do ser espiritual que habita nos cipós da selva amazônica.

 

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifNo salão da fornalha ficam apenas os responsáveis pelo cozimento e apuração do Daime. É uma fase de atenção e concentração total. Empunhando grandes tridentes de madeira, eles vigiam a fervura, instruem o foguista e executam divesas manobras com o bagaço fervente, impedindo que o líquido derrame, queime ou ultrapasse o ponto em que deve ser retirado da panela.

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifAs panelas vão e voltam numa coreografia sincrônica. Os gestos são precisos. As palavras poucas. A atenção é total, para que não haja nenhum engano. Através da busca da perfeição no processo material do feitio,todos se habilitam a penetrar na perfeição espiritual do feitio. A combinação entre esses dois aspectos é que confre ao feitio o caráter de iniciação aos mistérios da sagrada alquimia interior.

 

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifEssa é a mesma bebida que já é feita há muitos mlhares de anos pelos nossos ancestrais que habitaram essas florestas.

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifAs chamas bruxuleiam na fornalha. O responsável pela apuração do líquido sagrado examina com o seu gambito o nível das panelas. Apalpa-a demorada e suavemente, sente a pressão nas suas entranhas, cheira demoradamente a fumaça.Todos estão concentrados em torno daquela fumaça, num clima de mistério e de magia.

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifFinalmente depois de alguns instantes que parecem uma eternidade, o apurador bate com seu gambito tres vezes na borda da panela, querendo dizer com isso que está fazendo a chamada do sol, da lua e das estrelas, forças maiores que estão influindo no ponto do Daime que está vindo à luz.

http://www.santodaime.org/images/pixel.gifDois homens atravessam silenciosamente o salão, cada um por um lado da fornalha.Passam uma corda em cada alça da panela e a suspendem. A labareda de fogo pula. A panela é levada ao cocho e escorrida ao som dos hinos. É impossível pensar que esse líquido é uma droga e não um sacramento divino.

 

(Extrato do Guia da Floresta,Alex Polari, pags 164/166)

 

História do Padrinho Sebastião

Mestre Irineu Mestre Irineu

Mestre Irineu teve vários amigos e seguidores se destacando: Germano Guilherme, Maria Damião, Antônio Gomes e João Pereira. Estes deram origem a um dos hinários mais importantes da Doutrina, que é chamado hinário dos mortos. Este hinário descreve a vida do fundador da Doutrina sobre 4 ângulos diferentes. Houveram também outros que foram: João Pedro e Dona Peregrina sua esposa, Senhor Tetéu, Tetê, Rita Gregório e Sebastião Mota de Melo, que foi após o Mestre Irineu a figura de maior notoriedade na doutrina. Foi ele o grande mantenedor e divulgador destes preceitos. Com suas longas barbas brancas e sua esposa Madrinha Rita, trouxeram para o mundo este conhecimento tão relevante de sua época. Por sua venerável missão, exemplo de humildade e dedicação, ganhou o título de Padrinho dos Padrinhos. Graças ao amor e persistência do Padrinho Sebastião, hoje existem igrejas no mundo inteiro. O serviço desenvolvido por ele sempre foi baseado na caridade, uma vez que nunca teve nenhuma recompensa material por isso. Foi considerado o pai dos alternativos por ter acolhido mendigos, mochileiros, maconheiros sem rumo e desenganados em sua comunidade. Nunca teve preconceito contra ninguém e por isso foi muito incompreendido. Padrinho Sebastião chegou a ter problemas com a polícia pois até traficante ele recebeu acreditando na cura encaminhando-os para o trabalho honesto, despertando a consciência espiritual e fazendo-os acreditar nas leis de Deus. É, realmente muitos foram curados. Após sair do Alto Santo fundou 3 comunidades: Colônia 5000 onde primeiro residiu, Seringal Rio do Ouro que por inúmeras dificuldades acabou abandonando para se fixar em definitivo no Céu do Mapiá, sendo lá a sua derradeira estada na terra. Em 1990 fez sua passagem no Rio de Janeiro na convivência de seus afilhados que muito o amava. Após sua passagem a Vila Céu do Mapiá se desenvolve à administração de seu filho Alfredo Gregório de Melo, atual representante de seu legado comunitário.

Calendário Oficial Do Santo Daime 

 

 

Dia

Festejo

Hinário

Hora

Farda

07/Jan

Aniv. P. Alfredo

Pad. Sebastião

9:00

Branca

19/Jan

São Sebastião

Pad. Sebastião + Missa

18:30

Branca

18/Mar

São José

Padrinho Alfredo

18:30

Branca

5a. Feira

Semana Santa

Hinário dos Mortos

18:30

Azul

6a. Feira

Semana Santa

Missa

16:00

Azul

2º Dom. Maio

Dia das Mães

Mad. Julia, Rita, Cristina

16:00

Branca

12/Jun

Sto. Antonio

Maria Brilhante

18:30

Branca

23/Jun

São João

Mestre Irineu

18:30

Branca

25/Jun

Aniv. Mad. Rita

Padrinho Sebastião

9:00

Branca

28/Jun

São Pedro

Padrinho Alfredo

18:30

Branca

Dia

Festejo

Hinário

Hora

Farda

06/Jul

Passagem M. Irineu

Teteo + Missa

18:30

Branca

2º Dom/Ago

Dia dos Pais

Pad. Sebastião

9:00

Branca

6/Out

Aniv. P. Sebastião

Mestre Irineu

18:30

Branca

01/Nov

Dia de Finados

H.dos Mortos + Missa

18:30

Azul

07/Dez

N.S. da Conceição

Mestre Irineu

18:30

Branca

14/Dez

Aniv. Mestre Irineu

Padrinho Sebastião

18:30

Branca

24/Dez

Nasc. Cristo (Natal)

Mestre Irineu

18:30

Branca

31/Dez

Passagem de Ano

Padrinho Alfredo

18:30

Branca

06/Jan

Santos Reis

M. Irineu + Entrega de Trabalho

18:30

Branca

 

Site atualizado em:03/10/2014 ! 

Fardamento 

 

 

– Como o Mestre fazia quando alguém queria se fardar?
– Ele explicava que era uma responsabilidade. "Para que a pessoa queria?", porque até para tomar daime o Mestre dizia: "Para que tu queres tomar daime, tu sabes o que é daime?" Até "assustava a pessoa". Ele dizia: "olhe, tu vais te meter num negócio muito sério e é isso que tu queres?, é muita responsabilidade". É como se fardar, não é qualquer pessoa. Às vezes ele dizia: "Dê um tempo, tu tens que conhecer o serviço melhor, saber se vale a pena". Ele não gostava de nada forçado, de jeito nenhum. Tinha de ser por amor… Dizer "você tem de se fardar, para ficar aqui", negativo!, nunca vi ele fazer isso. Teve gente que acho que viveu lá a vida todinha e nunca se fardou. Às vezes, tinha alguém que ele achava que podia dar alguma coisa e ele dizia: "Olhe, tu estás bom de se fardar", mas tinha vezes que era melhor ficar lá sem farda, mesmo.


Daniel Acelino Serra - www.juramidam.jor.br

 

Novidades

Contos e falas sobre O Santo Daime

26/05/2012 00:25
  Fogos de artifício:   “Depois do segundo dia não foi mais preciso tomar daime e daí por diante entrou 'em trabalho' e foi se apurando de tal forma que ficou de um jeito que tudo era espírito, a floresta também virou uma coisa espiritual, de uma dimensão tão grande que as árvores riam dele, o vento dava nos galhos das árvores e criavam braços, querendo agarrá–lo. As manchas nas árvores eram bocas rindo, falando, conversando e aquilo chegou a se acentuar a um ponto tal que ele temeu, foi dando um certo medo nele; aí, como ele andava com um rifle de caça, naquele temor ele detonava o tiro e no estampido recebia um encorajamento e um conforto, o que leva até a crer que foi o que fez com que ele inserisse, inclusive com muita ênfase, os fogos dentro do trabalho.” Depoimento de Saturnino Brito do Nascimento / www.juramidam.jor.br

Liberação no Conad

Reconhecimento no Conad

23/01/2012 16:25
  :: Resolução do CONAD CONAD LEGALIZA O USO RELIGIOSO DO SANTO DAIME / AYAHUASCA O uso religioso da Ayahuasca / Santo Daime foi reconhecido como  prática legal pelo Conselho Nacional Antidrogas (Conad), após décadas de controvérsias entre usuários e autoridades brasileiras...

Padrinho Manoel Corrente 

Nasceu no dia dedicado a São Miguel, 29 de setembro de 1910, no município de Correntes, no Piaui. Homem simples e solitário, desde rapazola trabalhou duro, viu acontecerem muitas guerras contra os cangaceiros (grupos de rebeldes sociais que infestavam as caatingas do Nordeste brasileiro no início do século), secas, fomes, etc.
http://www.santodaime.org/images/pixel.gifPassou muitos anos trabalhando como tropeiro de burro e depois levando boiadas do interior do sertão para as feiras do litoral. Em 1942 se alista nos Soldados da Borracha, contigente de trabalhadores nordestinos mobilizados para a produção de borracha, principal item brasileiro no esforço de guerra aliado.
http://www.santodaime.org/images/pixel.gifFoi no Acre que veio a conhecer o Mestre Irineu e logo depois Sebastião Mota, de quem foi um dos seguidores. Depois da passagem do padrinho Sebastião, em 1990, se tornou uma espécie de patriarca e conselheiro espiritual das centenas de afilhados que acorriam à sua humilde casa. Suas palavras, sempre amorosas e às vezes rigorosas, tinham o dom de confortar e esclarecer todos aqueles que o procuravam. Fez a passagem cantando seu hino Caboclo Guerreiro aos 86 anos de idade.

Fonte:http://www.santodaime.org/origens/manoel.htm

Madrinha Percilia 

 

Percília Matos da Silva

 

            Percília Matos da Silva, zeladora da obra do Mestre Irineu e gerente-geral dos hinários de sua Doutrina, começou a tomar Daime ainda muito criança. Ao ficar órfã de pai ainda menina, veio morar como filha do Mestre em sua casa. Como ela atesta, anos depois, sobre seu último momento com o grande lider “Aí eu tomei a bênção e ele fez uma recomendação como nunca tinha feito antes. Não entendi nada. Eu o vi tão alegre que não suspeitei de coisa alguma. Ele me recomendou que eu fosse muito feliz. Saí tranqüila e satisfeita. Ele era como meu pai, pois foi quem me criou”. Percília Estudou, formou-se professora e casou-se com Raimundo Gomes nos anos 40. O casamento não deu certo, e ela voltou a morar na casa do Mestre até que encontrou um novo companheiro na pessoa do Senhor Pedro.

Como responsável que foi em dar forma escrita aos hinos formadores da Doutrina, ela se tornou a gerente-geral dos hinários, e assim tinha o encargo de passar a limpo os hinos recebidos, ou seja, corrigi-los. A própria Dona Percília se auto-questionava quanto aos seus hinos, como demonstra esse trecho de entrevista de Clodomir Monteiro com ela, a respeito do hino que a apresenta como Taio Ciris Midam:

Clodomir - Este hino a senhora recebeu dentro da miração?

Percília - Dentro da miração...eu estava com uma febre neste dia!...

Clodomir - E foi uma entidade que dizia para a senhora isto?

Percília - Eu ouvi, não vi, eu ouvi a música....e quando eu dei de mim eu já estava cantando.

Clodomir - Que a sra. era realmente esta entidade...

Percília - É...Taio Ciris Midam...

Clodomir - E todos no Alto Santo reconhecem que a senhora é realmente Ciris Midam...

Pedro - Pois o próprio Mestre registrou... passou a limpo o hino... seu Eu superior...

Percília - Sim, o meu Eu superior...então quer dizer que eu sou da mesma família...de Midam...né ?

Clodomir - Tá ligado a outra metade dele...

Percília - É...é isso aí.

Clodomir - É isso aí, um é Jura, outra é Midam, o masculino e o feminino...

Percília -Foi passado a limpo com o Mestre...

Após o falecimento do Mestre, apoiou o Padrinho Sebastião quando da criação do Cefluris, e realizou naquela igreja modificações do fardamento (gravatas azuis e sapatos brancos para a farda masculina) que antes o Mestre manifestara vontade de fazer.

 

 

Sônia Palhares

 

          Sonia Maria Palhares de Alverga nasceu no Rio de Janeiro, no dia 04 de outubro de 1949, dia de São Francisco de Assis. É casada com Alex Polari de Alverga com quem tem três filhos: Thiago, Paula e Davi, além de Joana, sua filha mais velha, fruto da sua primeira união. É avó do João, que tem agora quase dois anos, filho de Thiago e de Ana.

 Sonia é Bacharel em Literatura Brasileira pela UFRJ, Licenciada pela Faculdade de Educação da UFRJ e Pós-Graduada em Teoria da Literatura pela PUC-Rio.

 Sonia conheceu o Santo Daime em junho de 1982. Sentia-se incompleta na vida, mas não tinha ligação com nenhuma tradição ou prática espiritual. Nesta época foi à Colônia 5000 – nos arredores de Rio Branco - fazer um vídeo sobre o Daime, que já despertava interesse para além das fronteiras da região norte.

Em dezembro do mesmo ano, Alex foi ao Rio do Ouro, onde o Padrinho morava nesta época, e recebeu a missão de começar um núcleo em Visconde de Mauá. Começaram então a fazer os trabalhos na garagem da própria casa, lá mesmo em Mauá. Em 1984, a igreja ficou pronta e em dezembro de 1985 a família toda se mudou para uma casa mais próxima à sede e aí começou a comunidade Céu da Montanha. Nesta época moravam lá mais ou menos 70 pessoas. Havia escola, uma cozinha comunitária, um centro de pesquisa em fitoterapia, oficina de tecelagem, e um grupo de mulheres muito unidas.

 No final da década, em 1989, Alex visitava o Mapiá quando o Padrinho Sebastião chamou a ele e sua família para irem morar lá. O convite foi aceito, afinal já tinham com ele laços de confiança, afeto e amizade.  

“Nós havíamos acabado de construir a nossa casa em Mauá, nem pensávamos nisso, mas respeitamos o chamado e começamos a preparação: ele mandou a gente vir duas vezes com toda a família e na terceira, de vez. Em maio de 1993, finalmente fizemos a mudança. Uma decisão difícil, os filhos adolescentes, entre 9 anos e 20, mas conseguimos boa adaptação. O Padrinho Sebastião morou em nossa casa em Mauá por um mês, isso em 1987. Foi uma experiência maravilhosa. Ele era uma pessoa muito humilde e verdadeira, que conquistava a gente por sua simplicidade e amizade. Foi esse sentimento que nos deu coragem de largar tudo e mudar para o Mapiá”.

 Sua ligação com Santa Madalena começou quando leu a “História de uma alma”, um manuscrito de Santa Teresinha que além de ser uma autobiografia, tratava do amor de Santa Madalena ao “Esposo Divino”. Depois desta leitura, num trabalho de estrela em 1986, recebeu o hino “As Forças Redentoras”, consagrando sua ligação ao amor devocional de Madalena ao Cristo. Passado algum tempo, o Padrinho Alfredo ofereceu a data de 22 de julho, dia de Santa Madalena, para que cantasse seu hinário, o que ela considera que: “foi mais uma forma dele me ajudar, pois eu estava num momento difícil do meu trabalho espiritual e eu sou muito grata a ele por isso